Bahia, 20 de maio de 2019 às 08:47 - Escolha o idioma: pt Português

Bolsas caem na China e na Europa após novas ameaças tarifárias de Trump


Por: - Crédito da Foto:


 

Índices da China têm maior queda em mais de 3 anos. Presidente dos EUA surpreendeu os mercados ao anunciar que vai elevar as tarifas sobre produtos chineses nesta semana e que terá como alvo centenas de bilhões ‘em breve’.

 

Os mercados globais tiveram um forte abalo nesta segunda-feira (6) após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar no domingo (5) que o país vai aumentar de 10% para 25% as tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses importados a partir de sexta-feira (10) e ameaçar elevar o alcance das tarifas.

Os investidores foram pegos de surpresa pelas ameaças de Trump, uma vez que a expectativa era de avanço nas negociações comerciais entre as duas potências.

Os principais índices acionários da China mostraram sua maior queda em mais de três anos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, e o índice Xangai caíram mais de 5% cada um, registrando a maior queda em um único dia desde fevereiro de 2016. As principais bolsas asiáticas também fecharam em queda.

Na Europa, as bolsas também caíram durante a sessão, mas menos que na Ásia. O índice de ações europeias FTSEurofirst 300 caiu 0,94%, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 0,88%, em seu pior dia em cerca de um mês e meio.

A Bolsa de Frankfurt caiu 1,01%, e a de Paris, 1,18%. O Ibex 35 de Madri recuou 0,84%, enquanto Milão cedeu 1,63%. Em Londres, a bolsa não operou devido a um feriado.

Em Nova York, os principais índices abriram em queda de mais 1%, mas as perdas foram reduzidas nas horas seguintes. Por volta das 13h40, o Dow Jones caía 0,78%, enquanto o Nasdaq recuava 1% e o S&P, 0,97%.

No Brasil, o Ibovespa opera em queda de mais de 1%, acompanhando bolsas internacionais.

As novas ameaças de Trump também provocavam queda no preço de coommodities como petróleo, soja, trigo e milho.

 

As bolsas nesta segunda:

  • Em Xangai, o índice SSEC perdeu 5,58%, a 2.906 pontos;
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, retrocedeu 5,84%, a 3.684 pontos;
  • Em Tóquio, o índice Nikkei permaneceu fechado.
  • Em Hong Kong, o índice HANG SENG caiu 2,90%, a 29.209 pontos;
  • EmCingapura, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 3%, a 3.290 pontos;
  • Em Frankfurt, o índice DAX caiu 1,01%, a 12.286 pontos:
  • Em Paris, o índice CAC-40 1,18%, a 5.483 pontos;
  • Em Madri, o índice Ibex 35 teve queda de 0,84%, a 9.331 pontos;
  • Em Milão, a bolsa cedeu 1,63%, a 21.409 pontos;
  • Em Londres, a bolsa não operou devido a um feriado;
  • Em Lisboa, o índice PSI20 desvalorizou-se 1,45%, a 5.301 pontos.

 Anúncio de Trump

Trump surpreendeu os mercados globais com uma publicação no Twitter na noite de domingo anunciando que as tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses vão aumentar para 25% na sexta-feira (10), de 10% já em vigor, revertendo uma decisão tomada em fevereiro de mantê-las nos níveis atuais devido ao progresso das negociações entre os dois lados.

Ele falou também que pretende atingir outros US$ 325 bilhões em mercadorias chinesas com tarifas de 25% “em breve”, essencialmente cobrindo todos os produtos importados da China para os Estados Unidos.

Nesta segunda-feira, Trump voltou a criticar a China devido ao comércio, dizendo que os EUA estão perdendo bilhões de dólares para Pequim e prometendo proteger o comércio norte-americano. “Desculpe, não vamos mais fazer isso!”, disse Trump.

 

Reação chinesa

Apesar da ameaça, um porta-voz chinês disse que uma equipe de Pequim está “se preparando para viajar para os Estados Unidos” para continuar as negociações comerciais e “tentando obter mais informações” sobre o anúncio de Trump.

Geng Shuang se negou a dizer se o principal enviado chinês, o vice-primeiro-ministro, Liu He, iria a Washington, como planejado. Questionado sobre Liu He, Geng disse apenas que uma “equipe chinesa” estava se preparando para viajar.

“O que é de vital importância é que ainda esperamos que os EUA possam trabalhar com a China para se encontrarem no meio do caminho e que se empenhem para alcançar um acordo mutualmente benéfico com base em respeito mútuo”, disse Geng.

O Wall Street Journal havia noticiado mais cedo que a China estava considerando cancelar as reuniões desta semana em Washington diante dos comentários de Trump, que pegaram as autoridades chinesas de surpresa.

Já o banco central da China afirmou nesta segunda-feira que vai cortar a taxa de compulsório para liberar cerca de 280 bilhões de iuanes (US$ 41 bilhões) para pequenos e médios bancos, em uma medida que visa a ajudar empresas com dificuldades em meio à desaceleração econômica.

O corte no volume de dinheiro que os bancos devem manter como reserva será o menor desde janeiro de 2018, quando o Banco do Povo da China deu início à sua mais recente rodada de afrouxamento monetário para sustentar a segunda maior economia do mundo.

 Guerra comercial

Autoridades norte-americanas não avaliaram se esperam que as negociações prossigam nesta semana. A Casa Branca e o Escritório do Representante de Comércio dos EUA se recusaram a comentar. O Ministério do Comércio da China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Há anos, os EUA reclamam que a China gera ao país um considerável déficit comercial (que é a diferença entre os produtos exportados e os importados entre os países).

Trump também alega que o país asiático rouba propriedade intelectual, especialmente no setor de tecnologia, e viola segredos comerciais das empresas americanas, gerando uma concorrência desleal com o resto do mundo.

 

Por isso, o combate aos produtos “made in China” é uma bandeira de Trump desde a campanha presidencial de 2016. A meta do governo Trump era reduzir em pelo menos US$ 100 bilhões o rombo com a China.

Só que há controvérsia até no cálculo do tamanho buraco: nas contas de Trump, é de US$ 500 bilhões; nas da China, é de US$ 275,8 bilhões. Já os dados oficiais dos EUA apontam para um déficit de US$ 375 bilhões ao ano.

Em abril do ano passado, os EUA anunciaram tarifas de US$ 50 bilhões sobre 1,3 mil produtos chineses, alegando violação de propriedade intelectual. Em resposta à taxação, a China impôs tarifas de 25% sobre 128 produtos dos EUA, como soja, carros, aviões, carne e produtos químicos.

Desde então, os dois países trocaram ameaças mútuas e agravaram a tensão comercial. O governo chinês acusou os EUA de serem “caprichosos” e alertou que os interesses dos trabalhadores e produtores agrícolas norte-americanos seriam afetados.

Por G1