Bahia, 16 de outubro de 2018 às 05:55 - Escolha o idioma: pt Português

CACA LEÃO “Lutaremos por mais Institutos Federais de Educação em nosso estado”


Por: - Crédito da Foto:


Por: Dilton Santiago/Bahia Municipios

Carlos Felipe Vazquez de Souza Leão, mais conhecido por Cacá Leão, nasceu em Salvador, em 3 de novembro de 1979, formou-se em Administração e Planejamento Municipal pela Faculdade Metropolitana (Polifucs), em Lauro de Freitas, em 2002, é pós-graduado em Gestão Pública. Entre 2001 e 2003, atuou como assessor especial da Prefeitura de Lauro de Freitas, cidade que é o principal reduto eleitoral de seu pai, João Leão que foi prefeito entre o final dos anos 1980 e início da década de 1990. Hoje, vice-governador e secretário de Planejamento da Bahia. Em 2010, Cacá Leão, elegeu-se deputado estadual e, em 2014, foi eleito deputado federal, obtendo 125.605 votos. Filiado ao PP (Partido Progressista), é o atual vice-líder de seu partido na Câmara dos Deputados.

 Deputado, as pesquisas apontam que, na Bahia, não haverá 2o turno, para o cargo de governador do Estado. A que o senhor credita essa larga vantagem do governador Rui Costa, frente ao segundo colocado, o ex-prefeito  José Ronaldo?

Cacá Leão – Ao trabalho. O Brasil vem atravessando um momento muito delicado em todas as áreas, e isso traduz um pouco o descontentamento com a classe política. Mas, particularmente na Bahia, diferente de outros estados, o governador Rui Costa  conseguiu implementar uma gestão muito produtiva e, acima de tudo, responsável no limite prudencial de gastos. Enquanto a maioria dos estados está tendo dificuldades para equilibrar suas contas e até parcelando salários, o Governo da Bahia consegue manter sua folha de pagamento em dia e ainda fazer investimentos. Essa vantagem é fruto de uma administração séria que é aprovada pelo povo da Bahia. Por isso, acredito que no domingo, 7 de outubro, o governador vencerá a eleição em 1º turno e provavelmente com a maior votação da história da Bahia.

E quanto à votação para o  Senado, qual o seu palpite?

Eu também acredito que teremos o nosso ex-governador Jaques Wagner eleito juntamente com Ângelo Coronel, na verdade esse é um projeto que o vice-governador João Leão, juntamente com Jaques Wagner e Otto Alencar, já vinha construindo lá atrás. É importante a gente passar essa consciência de que não são candidaturas avulsas, claro que cada eleição é um caso, mas eu acredito em uma vitória esmagadora da chapa do governo como um todo.

Apesar de muito jovem, o senhor já liderou importantes comissões no Congresso, quais projetos de sua autoria o senhor considera de extrema relevância para o desenvolvimento da Bahia?

Eu tive a oportunidade de, pela primeira vez na história da Câmara, um deputado de primeiro mandato ser relator do Orçamento da União e o mais jovem parlamentar a exercer essa função. Investido nesse cargo, tive a oportunidade de trazer muitos benefícios para nosso estado, a exemplo de garantir o pagamento dos recursos para a expansão do Metrô, pude assegurar recursos para a ampliação do Hospital do Oeste, em Barreiras, com a implantação de serviços de cardiologia e de oncologia, que era um pleito antigo da população, através de emendas levamos esses mesmos serviços para o Hospital de Irecê e para o Hospital de Vitória da Conquista. Viabilizamos recursos para a construção do Hospital Regional da Bacia do Rio Corrente, no município de Santa Maria da Vitória, viabilizamos recursos importantes para implantação do Instituto Federal da Bahia (IFBA), no município de Jaguaquara, no município de Campo Formoso, recentemente em Candeias, São Desidério e Camacã. Então, conseguimos fazer uma evolução política muito grande tanto na área da educação como na de infraestrutura, aprovando recursos importantes para a duplicação da BR-101 na Bahia, um trecho de Feira de Santana até o município de Serrinha, na Br-116, assim, fazemos um balanço positivo ao longo de nosso mandato, trazendo recursos importantes e aprovando matérias de interesse do nosso estado. Tenho o orgulho de através de emendas distribuir mais de 70 ambulâncias para diversas prefeituras da Bahia, além de ter conseguido mais de 70 milhões de reais para custear a saúde no estado e em diversos municípios. Então, concluímos que, mesmo com toda a dificuldade por que atravessa o país, com muito trabalho e determinação conseguimos melhorar a qualidade do povo da Bahia, especialmente a população dos mais de 360 municípios baianos que confia em nosso trabalho e nos confere o voto.

O senhor também é autor de um projeto muito importante que visa o atendimento às vítimas de calamidades públicas, nos fale sobre isso.

Esse projeto ainda está em tramitação na Câmara dos Deputados e partiu de uma conversa com alguns correligionários. Surgiu essa ideia, analisamos que os impostos que são pagos pelos prêmios das loterias possuem pouca finalidade direta, então se você pegar toda a carga tributária que é paga e destinar um percentual para um fundo de assistência de acolhimento às vítimas de enchentes, desabamentos e até mesmo de longos períodos de estiagem, esse projeto vai beneficiar muitas famílias atingidas e desonera as prefeituras que, muitas vezes, não possuem sequer recursos para pagar auxílio-aluguel para os desabrigados desses desastres. Citamos o exemplo do município de Lajedinho em que a cidade ficou completamente destruída, se tivéssemos esse fundo ativo, a cidade hoje já teria se recuperado e não atravessaria as dificuldades que vem passando.

Por falar em Caixa Econômica, o governo editou um decreto permitindo aos trabalhadores da iniciativa privada darem parte do FGTS como garantia no empréstimo consignado para quitar dívidas, em sua opinião isso não seria desvio de finalidade?

Olha, a gente vive em um momento econômico-financeiro muito difícil em nosso país, eu vejo que o intuito dessa medida foi realmente fazer com que se movimente a economia. O Governo Federal tem feito algumas trapalhadas, outras decisões acertadas como a liberação dos valores das contas inativas. Eu não concordo muito com desvio de finalidade, acho que a lei, quando ele é feita, deve ser cumprida.

Não poderia ser criado um dispositivo de lei para que os trabalhadores pudessem dispor da aplicação do FGTS para quitar dívidas de condomínio ou até mesmo as prestações do financiamento atrasado, evitando, assim, a perda do imóvel?

Na verdade, foi baixado um decreto e decreto tem força de lei, depois é que ele entra na pauta de discussões, como estamos no período eleitoral, não há tempo legal para as discussões, finalizado esse período a gente retorna com força total e discutiremos situações como essas.

Voltando ao plano político nacional, o senhor acredita em um suposto apoio do candidato Ciro Gomes para o Fernando Hadad, em caso de  2o turno?

Eu acredito que a eleição está se desenhando para um 2o turno entre o Fernando Hadad e o Jair Bolsonaro, a gente precisa aguardar os resultados das urnas, possa ser que haja alguma surpresa, mas eu também acredito que o candidato do PT possa atrair um maior número de forças nesse processo.

Deputado, o senhor é um jovem parlamentar, como vê o desinteresse dos jovens pelo modelo de ensino aplicado principalmente nas escolas públicas?

Olha, a gente precisa dirigir um olhar mais firme para essa questão, se eu tivesse que reescrever minha trajetória estudantil eu teria optado pelo curso técnico. Eu gosto muito da política educacional dos institutos federais, fazem um grande trabalho e eu acredito muito nesse formato e modelo de formação técnica, é claro que precisamos elevar a qualidade do ensino nas escolas públicas para que os alunos possam competir de forma mais justa com os alunos da rede particular, e isso passa pelo fortalecimento da política estudantil. Eu mesmo tive oportunidade de fazer política quando estudante universitário e logrei um grande aprendizado, a questão é que os grêmios escolares que geravam grandes líderes estudantis e políticos se tornaram partidários, o que culminou com a banalização da política estudantil e, consequentemente, o desinteresse dos jovens.

Inclusive o senhor é autor de uma emenda que altera a Lei no 9.096 nesse sentido, como essa emenda beneficiará os jovens estudantes?

Esse é um belo projeto que vai ajudar a oxigenar a política brasileira no sentido em que apoia a renovação de novos talentos políticos, esse projeto altera a Lei 9.096 de setembro de 1995 e passa a estabelecer a aplicação de, no mínimo, 5% (cinco por cento) dos recursos do Fundo Partidário em programas de promoção e difusão política de jovens, política partidária para que tenhamos renovação nos quadros políticos.

O senhor já estabeleceu quais áreas ou segmentos terão prioridades no seu próximo mandato sendo reeleito no próximo dia 7 de outubro?

Como eu falei anteriormente, se eu pudesse, com a experiência  adquirida no exercício dos meus mandatos, eu reescreveria minha história. E uma das prioridades do meu próximo mandato é lutar para ampliar a instalação de mais institutos Federais de Educação em nosso estado. Eu quero e vou lutar para levar verbas para viabilização desses equipamentos em todos os mais de 50 municípios que eu represento, há campus do Instituto Federal da Bahia e Instituto Federal Baiano. Muitas vezes, o prefeito consegue trazer uma empresa ou uma indústria para seu município e não se preocupa em qualificar a mão de obra da população, aí essas empresas chegam, se instalam e acabam tendo que “importar” pessoal qualificado de outros lugares, porque a população local não tem a qualificação necessária. Então, para mim, é de extrema importância a viabilização dos Institutos Federais e Baianos em diversos municípios do nosso estado.  Outra área em que iremos implementar maiores esforços é no campo das políticas públicas para melhoria da saúde dos baianos, me orgulha muito o fato de ter destinado repasses de mais de 400 milhões para a saúde e assim ter ajudado o governador a realizar obras estruturantes nesta área, a exemplo do Hospital Metropolitano de Lauro de Freitas, ampliando, assim, a capacidade de leitos nos hospitais de nosso estado. Enfim, a função nossa é procurar trabalhar para melhorar a vida do povo.

Finalizando, que mensagem o senhor gostaria de deixar para seus eleitores, que, por certo, aprovaram seu trabalho e querem a continuação do seu mandato?

Primeiramente, agradecer pelo carinho e pelo acolhimento que tenho recebido durante esses quatro anos. Graças a Deus, posso caminhar pela Bahia de cabeça erguida, principalmente agora no pleito eleitoral de 2018, saber que todos os compromissos que assumi na eleição de 2014 foram cumpridos, principalmente sabendo que, nesse momento, muitos parlamentares voltam ao seu reduto eleitoral justificando-se da crise, tendo que se desculpar com aqueles que lhes confiaram o voto, me desperta orgulho em saber que nosso mandato distribuiu mais de 700 milhões de reais por todo o estado, portanto é muito gratificante ter a certeza de termos feito o nosso melhor e poder olhar nos olhos das pessoas e compartilhar da satisfação do dever cumprido e renovar os compromissos. Por isso pode ter a certeza que, se no dia 7 de outubro o povo nos der a oportunidade de continuar na Câmara dos Deputados, a Bahia continuará tendo um parlamentar lutador e que trabalha para colocar nosso estado no lugar de destaque que sempre mereceu.